segunda-feira, 24 de dezembro de 2007

Fotografia:: É Natal!

Árvore de Natal da Lagoa após a queima de fogos

Hoje é véspera de Natal e por isso não haveria melhor data para postar as fotos que eu fiz da árvore de Natal da Lagoa no dia 1 de Dezembro.

Meus votos são de um Feliz Natal com muita paz, prosperidade, luz, saúde e harmonia para todos vocês e suas famílias.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

A capacidade da Nikon D40 de produzir imagens de qualidade mesmo com um ISO elevado foi fundamental para realizar essas fotos. Foi engraçado (posso estar sendo meio cruel mas eu sempre acho) ver as pessoas disparando suas câmeras compactas com seus flashes e se desapontando com os resultados que viam no display LCD.

A foto acima foi capturada com ISO 1600 e f: 5,3 e t 1/20 com distância focal (equiv.) de 100mm.

Já a foto de baixo foi registrada antes da queima de fogos que marcou a inauguração da árvore esse ano. O ISO também ficou em 1600. Só que, com menos luz disponível, usei f: 4,0 e um tempo de exposição baixo (de 1/4 de segundo) para captar o que a objetiva zoom em 24mm (35mm equiv.) enquadrava. Mesmo com esses dados, a imagem ficou subexposta em 2 pontos. Na hora de tratar no Adobe Lightroom, o ruído presente por causa do ISO 1600 acabou ficando mais evidente por conta da correção de exposição.

Uma bela imagem noturna da Lagoa. O Cristo envolto por nuvens traz uma atmosfera de mistério.

Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online.

Se você quiser ver a galeria com mais algumas fotos (incluindo a queima de fogos), basta clicar nesse link.


domingo, 23 de dezembro de 2007

Fotografia:: Muita chuva, muita cachaça e pouco sol

Interior da casa grande de um alambique nas proximidades de Paraty

Assim foi marcada a minha viagem pra Paraty que aconteceu ainda em Novembro. Foi a primeira viagem com minha câmera nova e eu admito que me empolguei um pouco. Mesmo assim tem várias imagens que vale a pena conferir ma galeria de fotos do Picasa.

Paraty é uma cidade do litoral sul do estado do Rio de Janeiro famosa por seu centro histórico de estilo colonial e pelas belezas naturais de suas praias e montanhas.

Como eu disse, infelizmente o sol só apareceu mesmo no último dia de viagem. Mesmo assim, eu e mais 9 amigos aproveitamos bastante e conhecemos alguns pontos históricos como o alambique da foto acima, o forte de Paraty e o já citado centro histórico. Fizemos um passeio de escuna, tomamos várias cachaças ao longo da viagem e, no último dia, com a ajuda de São Pedro, conseguimos pegar uma praia em Trindade, que é um lugar belíssimo. Precisaríamos de um pouco mais de tempo e de sol pra conhecer tudo que Paraty tem pra oferecer.

Eu recomendo Paraty e pretendo voltar lá pra conhecer o que não deu tempo. Vale a pena e não custa tão caro. Com inúmeras pousadas na região, se você procurar com calma e um pouquinho de antecedência consegue encontrar aquela que casa com o seu bolso.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

A primeira imagem foi capturada no interior da fazendo onde podíamos visitar um alambique. Lá a luz de um dia chuvoso que entrava pela janela não ajudava muito. Por isso, o ISO 800 e o tempo de exposição de 1/4. A abertura f: 4,0 era a maior para a lente zoom que estava em 28mm (42mm equiv.) Para maior controle e exposições mais consistentes, estava fotografando no modo M (Manual).

A segunda imagem foi uma das várias imagens que eu fiz do centro histórico de Paraty no útlimo dia de viagem, aproveitando o dia ensolarado. O ISO estava também em 800 pois eu tirava algumas fotos na sombra pouco antes, onde eu tinha que compensar os 2 pontos de exposição que um filtro polarizador circular me roubava e queria manter a profundidade de campo reduzida com um diafragma mais aberto.

A distância focal de 200mm (equiv.) me permitia uma abertura de f: 5,6. No modo A (Prioridade de Abertura) isso me deu uma exposição de 1/1600.

Vale a pena notar o efeito do polarizador, que dá um céu mais contrastado e azulado, além de um contraste maior no todo e mais saturação nas cores. É um ótimo filtro de efeito que todo fotógrafo deve levar consigo.

As bandeirinhas decoravam a rua de uma das 3 igrejas que ficam no centro histórico de Paraty

Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online.

Se você quiser ver a galeria com todas as fotos da viagem, basta clicar nesse link.

sexta-feira, 30 de novembro de 2007

Cinquenta filmes pra ver antes de morrer

Se você é assinante da Sky ou da TVA e tem o canal TCM Classic Hollywood, vai poder morrer tranqüilo depois do dia 26 de dezembro.

O canal vai exibir ao longo do mês, os 50 filmes pra ver antes de morrer. A lista foi compilada a partir da lista do American Film Institute e traz tanto clássicos do cinema como Cidadão Kane (1941), que encabeça a lista da AFI, quanto filmes que se tornaram fenômenos pop como E.T. (1982) e Rocky (1976).

No entanto, eu diria pra você segurar um pouco antes de bater as botas, já que a lista conta só com filmes americanos e, portanto, deixa de fora movimentos artísticos de valor inestimável como o Neo-realismo italiano, o Expressionismo alemão, a Nouvelle Vague francesa, o Cinema Novo brasileiro... Além de filmes excelentes da cinematografia internacional, como obras da Rússia, Espanha, Japão, Irã, Índia, Argentina e de muitos outros países.

Por último, na minha opinião o cinema, e a arte em geral, é extremamente pessoal. Já vi filmes maravilhosos que nunca entrariam em uma lista como essa e filmes que são considerados clássicos do cinema mundial que eu simplesmente detestei. É uma questão de gosto.

De qualquer forma é sempre bom ver bons filmes (e a maioria dos filmes que estão nessa lista são ótimos), portanto você pode conferir a lista completa com os horários em que os filmes vão passar nessa notícia do G1. Já no site do American Film Institute, você pode se registrar e baixar em PDF a lista com os 100 melhores filmes (americanos) de todos os tempos.

quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Psicóloga

Eu sempre tive por perto muitas psicólogas e psicólogos (normalmente nessa ordem). A minha mãe é psicóloga. Os amigos da minha mãe são psicólogos. Já tive namorada psicóloga. Tenho amigas psicólogas. Além de já ter tido um psicólogo, que hoje acabou virando amigo também.

Talvez por isso eu tenha morrido de rir com o vídeo abaixo.



Ou talvez seja pelo fato do Fábio Porchat ser hilário. A Luana Piovani também está ótima. Parabéns aos dois e ao roteirista.

Não deixem de assistir ao outro vídeo sobre futebol. É engraçadíssimo.

Se quiser ver mais do Fábio, você pode acessar o blog dele ou o site da Comédia em Pé.

terça-feira, 27 de novembro de 2007

Um trabalho bonito até debaixo d'água

Na verdade a proposta é exatamente essa.

Essa imagem faz parte do trabalho da fotógrafa Zena Holloway. Britânica, ela é o principal nome da fotografia subaquática daquele país e tem clientes que vão desde a Nike até o Greenpeace, passando entre vários outros, pelo National Geographic. Além, é claro, de uma vasta coleção de prêmios pelo seu trabalho.

Vale a pena conferir o restante do trabalho dela acessando seu site. É só clicar aqui.

Fotografia:: Um carioca em Sampa

Taxeando após o pouso em Congonhas. Sem chuva e sem sustos. Com grooving.

Finalmente estou disponibilizando pra vocês algumas fotos da minha viagem à São Paulo. Pra quem não sabe, eu estive lá pra conferir um seminário sobre Produção de Eventos Culturais e Cinema organizado pela Escola São Paulo, numa iniciativa bem interessante.

Como foi uma viagem de fim de semana (fui na sexta e voltei no domingo) e eu estava por conta mesmo do evento, não deu tempo de ver muita coisa. Mesmo assim, um dos meus bons amigos que se mudou pra São Paulo pra trabalhar me mostrou alguns pontos de interesse, como o Mercado Municipal (e o mais do que famoso sanduíche de mortadela), a Catedral da Sé e a Estação da Luz. Ainda visitamos o Museu da Língua Portuguesa, que fica ao lado dessa última e é realmente muito interessante.

É claro que eu não iria viajar sem a minha companheira inseparável, a minha Nikon D40. Essas duas fotos que ilustram o post estão entre as minhas preferidas.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

A primeira foto foi tirada da janela do avião e, considerando o estado de limpeza das janelas de avião, vocês podem imaginar que eu tive que usar o healing brush pra remover algumas imperfeições. O céu carregado, a pista novinha em folha que estava secando (tinha chovido um pouco antes) e os aviões enfileirados fizeram essa foto se destacar.

No modo P (Programa), que é ideal pra essas situações do tipo "saque a câmera e tire a foto agora ou cale-se para sempre", a exposição ficou em f: 8,0 e t 1/250 em ISO 200. A distância focal era de 18mm (28mm equiv.), já que o intuito era capturar essa paisagem urbana por completo.

A segunda imagem foi capturada dentro da Catedral da Sé. Um lugar belíssimo. Fiquei alguns minutos explorando a igreja com a câmera e o tripé. Essa foto, no entanto, foi fotografada sem o auxílio de um tripé. Por isso, tive que usar o ISO 800. No modo M (Manual), a abertura ficou em f: 3,5 (o mais aberto possível para a minha lente 18-135mm) e a velocidade em 1/80. Essa combinação me permitiu capturar alguma coisa da iluminação interna e ao mesmo tempo manter os detalhes dos belos vitrais que se vê na imagem. A distância focal foi 18mm, dessa vez com um duplo objetivo: capturar mais da cena e distorcer a proporção das já monumentais colunas da catedral.

Uma das várias e belas vistas da Catedral da Sé.

Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online.

Se você quiser ver a galeria com todas as fotos da viagem, basta clicar nesse link.

terça-feira, 20 de novembro de 2007

Com uma câmera na mão e à procura de uma idéia



Foi mais ou menos assim que nasceu esse projeto. Vida em Xeque foi o primeiro roteiro meu que foi filmado e o primeiro curta-metragem que eu dirigi.

Com equipamento disponível e uma fita miniDV sobrando, eu, a produtora Ariane Barbim, e os parceiros Pedro Henrique e Eduardo Renatino rodamos o filme numa tarde de domingo. A narração em off de Tiago Lopes veio depois.

A idéia precisava ser simples de produzir e ao mesmo tempo interessante. A premissa era a comparação de um jogo de xadrez com a nossa existência.

Assistam, avaliem, discutam e divulguem por favor.

segunda-feira, 19 de novembro de 2007

Sobre a manipulação de imagens

Na era da fotografia digital, a manipulação de imagens se tornou um assunto polêmico, principalmente com a difusão e facilidade com que se manipula uma fotografia através de softwares de edição como o Photoshop, que se tornou tão famoso que virou até um adjetivo.

Hoje se discute os limites éticos da manipulação tanto na fotografia com propósitos estéticos (moda, publicidade, retratos, etc.) como na fotografia jornalística (editorial).

As fotografias da ex-BB Iris, por exemplo, acabaram virando polêmica por conta da afirmação da Playboy de que não havia usado Photoshop para retocá-las, quando claramente isso foi feito (basta ver com atenção o rosto dela na foto ao lado).

E o que dizer de fotografias publicitárias que usam e abusam de programas de edição e programas de gráficos 3D, como o 3D-Max, só para citar um exemplo, deixando o consumidor perdido entre o real e o fantasioso quando se trata de um produto?

Mais recentemente, tivemos ainda o episódio da capa da revista Época com o presidente da Venezuela Hugo Chávez, que teria tido sua imagem manipulada para se tornar mais assustador e se adequar ao tom da manchete do periódico, que era: "O Brasil deve ter medo dele?".

Se engana quem pensa que a manipulação de imagens surgiu com os softwares ou com a fotografia digital. Ela surgiu muito antes do que as câmeras digitais e os computadores. Tanto é que os nomes de algumas das ferramentas do Photoshop, como sponge ou burn são oriundos dos utensílios ou processos que eram utilizados nos laboratórios para a obtenção desses efeitos.

A manipulação de imagens, seja qual for o seu propósito, se iniciou praticamente junto com a fotografia. O daguerreótipo, que foi o precursor das câmeras fotográficas, foi criado em 1839 por Louis Daguerre e a primeira manipulação de imagem famosa de que se tem notícia data de 1860, quando a cabeça de Abraham Lincoln foi colada sobre o corpo de um outro político para produzir esse famoso retrato do presidente americano. Esse site apresenta uma lista com várias manipulações, muitas de cunho político, ao longo do século XX.

Geralmente, são considerados aceitáveis pela indústria editorial, ajustes que poderiam ser definidos como tratamento de imagem, como alteração de contraste, balanço de cor, foco e outros itens que não alterem o conteúdo ou a disposição dos elementos da imagem. Apesar de não haver regras estabelecidas para o que pode ou não ser feito, muitos jornais e revistas mais sérios possuem cartilhas para orientar os fotógrafos e editores de imagens em relação ao que é ou não aceitável.

Assim, a expectativa é que as próximas gerações de fotógrafos sejam mais conscientes e façam um uso correto dos recursos que estão disponíveis hoje para um número muito maior de usuários.

quinta-feira, 8 de novembro de 2007

Fotografia:: Água de Beber


Na quarta-feira da semana anterior, tive uma noite de capoeira.

Primeiro fui a uma roda de capoeira na Gávea. O evento foi organizado pela minha instrutora, a Felina. Ela dá aula pra várias crianças e adultos próximo ao Shopping da Gávea e a maior parte dos alunos compareceu.

Depois, a galera toda foi ao Teatro do Jockey conferir uma peça sobre capoeira, com capoeira mas que não fala só para os capoeiristas.

"Água de Beber" é o primeiro espetáculo teatral que conta a história da capoeira no Brasil, país que se tornou o maior divulgador e exportador de profissionais desta arte no mundo. Idealizada pelo diretor, acrobata e capoeirista Cláudio Baltar, a peça é baseada livro "Santugri", do jornalista e sociólogo baiano Muniz Sodré e em pesquisas em jornais e entrevistas com capoeiristas e estudiosos dessa arte.

Como eu disse, o espetáculo é bem interessante não apenas para os iniciados na capoeira, mas para todo mundo. Com música, projeção de imagens, capoeira e interpretação, o espetáculo tem momentos de ação, drama e até de comédia. Os capoeiristas Rodrigo dos Santos, Davi Mico Preto. Fábio Leão Pequeno, Sérgio Cebolla, Charles Rosa e Fábio Negret estão de parabéns e dão show com as acrobacias.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

Com a minha companheira de trabalho, a Nikon D40 e munido das minhas objetivas, uma 18-135mm e uma 50mm, fui à luta.

Na roda, usei ISO 1600 e um flash SB600 rebatido em um cartão branco preso no mesmo.

No teatro, após conseguir uma autorização da produção pra fotografar o espetáculo, descartei o flash e aproveitei as luzes da peça para iluminar os atores/capoeiristas. Assim, pude diminuir o meu ISO para 800.

Durante a peça, alternei (com algum esforço e uma boa dose de agilidade) entre as duas objetivas. Mas a 50mm com abertura f: 1,8 se mostrou mais útil, mesmo sem o foco automático. Capturei a maioria absoluta das imagens com diafragma 2,8 para ter um pouquinho a mais de profundidade de campo e uma margem de erro no foco manual.

Foram mais de 150 fotos no total e fico feliz de dizer a vocês que agora uso o Adobe Photoshop Lightroom, que é um excelente software que permite importar, tratar e publicar as fotos de uma maneira muito mais prática e rápida em relação ao Photoshop. Enquanto nesse programa você tem que abrir uma a uma as fotos, alterar e depois salvar, no Lightroom você trabalha com vários arquivos ao mesmo tempo e online, sem precisar abrir ou salvar nada. Pra quem tira muitas fotos em formato RAW, como eu, é a ferramenta ideal. Recomendo.

A primeira foto foi capturada com a lente 50mm (75mm equiv.), f: 1,8 e t1/80.

Já a segunda foi fotografada com a objetiva 18-135mm na posição 62mm (93mm equiv.), diafragma f: 5,3 (5,0 e 1/3) e t1/60.


Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online.

terça-feira, 6 de novembro de 2007

Fotografia:: A enseada de Botafogo por outro ângulo


Na semana passada eu estive na Urca (clique aqui para saber mais sobre esse tradicional bairro carioca), visitando algumas locações para um ensaio sobre capoeira que estou planejando realizar em breve.

Visitei o campus da Praia Vermelha da UFRJ e relembrei bons momentos que passei durante os três anos que estudei ali na Escola de Comunicação. Reencontrei meu primeiro professor de fotografia, Antonio Fatorelli. Ele é, sob muitos aspectos, o responsável por essas imagens que eu posto aqui no blog. Sem ele nada disso estaria acontecendo.

Sempre me interessei por fotografia, mas ele foi um grande mestre e, mais do que a técnica, ele me mostrou que o fotógrafo possui um olhar diferenciado. A técnica cumpre apenas o propósito de imprimir esse olhar nas imagens produzidas por ele.

Assim, aproveitei a oportunidade para relembrar os primeiros momentos em que fotografei e registrei algumas imagens da Urca, como fiz há mais de 5 anos. Posto aqui duas dessas imagens que mostram a enseada de Botafogo vista da Urca. Uma bela paisagem do Rio de Janeiro.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

A escolha pelo P&B tem duas razões: a primeira era dar um ar nostálgico às imagens, já que a Urca é um bairro que foi sinônimo de riqueza e glamour nas décadas de 20 à 40, principalmente por causa do Cassino da Urca, que foi inaugurado em 1933 e fechado em 1946 com a proibição dos jogos de azar. O segundo motivo é que nem sempre as cores são positivas. Nesse caso, elas eram apenas distrações. O fato de subtrai-las das imagens realça a composição e as formas do quadro.

Ambas as fotos foram feitas com uma Nikon D40 equipada com uma objetiva 18-135mm f: 3,5-5,6 e ISO 200.

A primeira foto foi registrada com uma distância focal de 135mm (200mm equiv.) e os seguintes dados de exposição: f: 5,6 e t 1/1600.

Já a segunda imagem teve abertura f: 5,0, t 1/4000 e dist. focal de 44mm (66mm equiv.).


Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online.

O Hulk na favela popstar

Edward Norton e o restante da equipe de O Incrível Hulk 2 já estão no Brasil para as filmagens do longa, que tem data de estréia marcada pra Julho de 2008.

A maior parte da história se passa em uma favela. E a locação escolhida para as gravações é a favela Tavares Bastos, no Catete. Desde a ocupação do morro pelo BOPE, em 2000, e a instalação de sua sede em um prédio abandonado, essa é a favela mais segura da cidade e por isso está virando uma das locações mais procuradas do Rio. Já serviu a vários filmes, clipes e novelas.

Tropa de Elite, Maré, 174 e a novela Vidas Opostas, da Record estão entre as obras que se utilizaram da comunidade. Os moradores viram figurantes e atores e as filmagens trazem trabalho pra todo mundo.

Quem negocia as contrapartidas e autoriza as filmagens é o major Vargas, 50 anos, 15 anos na tropa de elite da PM do Rio. Ele é uma espécie de "prefeito" informal. Para as filmagens do Hulk, por exemplo, exigiu que usem mão-de-obra local e comprem comida e materiais lá dentro (e em rodízio, para não privilegiar ninguém). Cerca de 40 casas receberam benfeitorias, e os moradores, de R$ 100 a R$ 300 pelas gravações.

Vargas diz que consegue recursos e benefícios para a favela, mas cobra dos moradores respeito à área de preservação ambiental, que paguem luz, tenham relógio de energia em casa e hidrômetro.

Após conhecer a favela e as locações onde serão filmadas as cenas de ação, John Stoneham Jr., chefe dos dublês, comenta encantado com o visual do lugar:

"É fantástico. Em Los Angeles, isso valeria milhões."

Eu aposto que vai valer milhões pros produtores do filme. Com certeza.

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

Roteiristas entram em greve... Eu não

Mesmo após alguns dias sem posts aqui no Mnemoteca, não há motivos para alarme. Informo que eu não aderi à greve dos roteiristas de Hollywood. Até porque (ainda) não sou um roteirista de sucesso.

O fato é que, após mais uma rodada de negociações do WGA (Writer's Guild of America), o sindicato dos roteiristas, e a AMPTP (Alliance of Motion Picture and Television Producers), não se chegou a um acordo e por isso, a partir de hoje, os profissionais responsáveis por roteiros para TV e cinema nos EUA cruzaram os braços e participam de passeatas em frente aos grandes estúdios, incluindo a Walt Disney Co., a rede ABC, a Warner Bros., a Paramount Pictures, a CBS e a Fox.

O principal ponto de divergência entre as duas partes seria a questão dos direitos autorais de filmes e programas de televisão vendidos em DVDs ou por meio da internet. Mesmo desistindo das porcentagens de direitos autorais mais altas sobre a venda de DVDs, a WGA, que representa cerca de 12 mil profissionais em solo americano, afirmou que os estúdios não quiseram discutir a questão dos filmes e programas vendidos e veiculados na web.

A paralisação irá prejudicar a produção de muitas séries de TV e fazer com que programas gravados ao vivo recorram de maneira imediata às reprises, além de custar milhões de dólares em lucros e salários perdidos

A última greve da categoria aconteceu em 1988 e durou 22 semanas. Segundo estimativas, uma greve como a de 88 poderia resultar, hoje, em perdas de cerca de US$ 1 bilhão.

PS.: Eu acabei de ler que a estréia da 4a. temporada de Lost pode ser adiada por conta da greve. Nããããoooooo!!!

quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Famosos encarnam personagens da Disney

Scarlett Johansson, que vive Cinderella, é atual musa de Woody Allen e queridinha de Hollywood.
Será que a "meia-noite" vai chegar pra ela também?

A renomada fotógrafa Annie Leibovitz, que ficou famosa por fotografar celebridades para a revista Rolling Stone e, desde 1983, para a Vanity Fair, criou uma série de imagens onde famosos vivem os personagens imortalizados pelos filmes de Walt Disney.

Sua marca registrada é a colaboração e participação do fotografado, e a intimidade que ela consegue imprimir nas imagens.

A pedido da empresa, Leibovitz fotografou celebridades como Scarlett Johansson, Rachel Weisz, Julie Andrews, o tenista Roger Federer, a cantora Beyoncé e o jogador de futebol David Beckham para uma campanha publicitária dos parques temáticos Disney.

Quem quiser saber mais sobre o trabalho e a vida de Annie Leibovitz pode clicar aqui e acessar o verbete em referência a ela na Wikipedia.

David Beckham, como príncipe Phillip, a caminho de salvar a Bela Adormecida.
Pena que ele não pôde fazer o mesmo pelo Los Angeles Galaxy.

Para ver outras imagens e os bastidores do set de fotografia, clique aqui e acesse a galeria do G1.

domingo, 28 de outubro de 2007

Fotografia:: Lá vem o sol


Olha a pose tipo Gisele Bündchen...

Depois de dias de chuva, dilúvio e caos total, finalmente abriu o sol no Rio de Janeiro e aproveitei o domingão pra curtir uma praia. Já que fui de carro, levei a minha câmera e tirei umas fotos sem muito compromisso. A primeira é da Alice numa pose bem blasé. A segunda foto é um bom exemplo de como um enquadramento pode influenciar na percepção de uma cena. Tava cheia a praia, né? Não. Nem tanto. Mas ao utilizar um enquadramento fechado e uma teleobjetiva, que tem por característica "comprimir" os planos da imagem, parece que os guarda-sóis (eu pesquisei e sim, o plural é esse mesmo) estão bem mais próximos do que na realidade.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

Equipamento fotográfico e praia não costumam combinar. Mas com alguns cuidados dá pra levar na boa a sua câmera pra passear. Use um filtro UV à frente da sua objetiva para preservá-la. No meu caso, usava um polarizador circular. Tenha uma bolsa adequada e deixe a câmera sempre na sombra. Principalmente se for preta e toda de plástico como muitas das câmeras compactas. Não pegue a câmera molhado ou sujo de areia. Por último, ao chegar em casa, dê uma geral na máquina com o blower brush pra tirar qualquer areia que tenha ficado em alguma fresta.

As fotos desse post foram registradas com ISO 200 e em prioridade de abertura.

A primeira tem também o flash onboard pra efeitos de preenchimento das sombras. Distância focal (equiv.) de 70mm, f: 5,0 e t 1/250. Ela estava debaixo da sombra da barraca.

A segunda tem distância focal de 200mm (equiv.), f: 5,6 e t 1/800.

A maior dificuldade em condições de muita luz como a praia é enxergar o resultado das fotos tiradas no monitor LCD, por isso recursos como o historigrama e o alerta de highlights, que pisca nas partes superexpostas da imagem são muito úteis.


Enganei vocês. A praia nem tava tão cheia pra um domingo de sol.

Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online.

quinta-feira, 25 de outubro de 2007

Fotografia:: Respeitável público...



O circo chegou!!!

Como é assim que começa toda apresentação de um circo, achei que seria adequado iniciar o post assim.

No último domingo, levei a Alice à lona da Praça XI na companhia de dois bons amigos por conta de apresentação das crianças de uma ONG que se chama Praticável, na qual uma amiga psicóloga trabalha.

Assistimos à apresentação das crianças e ao espetáculo circense logo depois. Fazia tempo que eu não ia ao circo (talvez mais de dez anos) e confesso que achei o espetáculo fantástico. Tirando a parte dos milhões de dólares investidos, não ficam devendo nada ao Cirque Du Soleil (nada contra eles, apenas acho absurdamente caro). Muito bacana mesmo.

É claro que, munido de minha inseparável Nikon D40, registrei a apresentação para dividir com vocês um pouco da magia do circo. Foram mais de 160 fotos. Com muito pesar, selecionei 66 imagens para colocar numa galeria do Picasa. Essas duas estão entre as minhas preferidas, mas eu aconselho todos a conferir a galeria. Até pensei em postar apenas as 2 fotos que melhor representassem esses artistas para manter o padrão do blog, mas foi impossível. Não pela minha competência em fotografar, mas pela competência deles em fazer um espetáculo belíssimo.

Parabéns a eles e a todos os artistas que mantém o circo vivo e fazem crianças do mundo inteiro felizes como a Alice no domingo.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

Como vocês vão poder conferir a maioria das fotos na galeria, vou resumir aqui o procedimento utilizado para registrar a maioria delas e as duas fotos que ilustram o post.

Prevendo que fotografaria com pouca luz, escolhi levar apenas a objetiva 50mm de f:1.8. Por causa do fator de crop, ela se torna uma 75mm
na D40. Confesso que uma grande-angular fez falta em vários momentos, mas é legal ser forçado a se mover de um lado pro outro para fazer a foto. A outra questão dessa lente é que ela não tem foco automático na minha Nikon (mas o display da câmera possui indicação de foco, pra minha sorte) e portanto eu utilizei uma abertura constante de f: 2.8 durante o espetáculo para ter o mínimo de margem de erro em relação ao foco.

Deixei o ISO em 800, que é um valor que me permitiu aumentar a velocidade de exposição para 1/200 a 1/320 quando os canhões de luz iluminavam o picadeiro, mantendo ao mesmo tempo um nível aceitável de ruído na imagem. Um dica pra quem pretende fotografar algo desse tipo é: planeje e se prepare pra situação que vai encontrar.

O fotômetro da câmera ficou em spot porque desse modo eu podia apontar para o ponto mais luminoso da roupa do artista em quadro e verificar se a exposição estava adequada ou muito "estourada". O modo era o M (Manual). Se quiser fotografar com consistência numa situação dessas abandone os modos automáticos. Neles, a câmera escolher os valores por você baseada no que você enquadrou, fazendo com que a abertura ou a velocidade fiquem sempre mudando. Defina um diafragma e uma velocidade padrão e vá se adaptando a partir daí.

A primeira foto teve velocidade de 1/250 e os parâmetros discutidos nos parágrafos anteriores. A segunda foi capturada com 1/60 de velocidade do obturador e os mesmos parâmetros.



Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online.



Se você quiser ver a galeria com todas as fotos do circo, basta clicar no mosaico acima.

segunda-feira, 22 de outubro de 2007

Fotografia:: A Chapada dos Veadeiros (Pt. II)



Dando continuidade à saga deste fotógrafo pelo Cerrado brasileiro, mais um post com duas fotos da minha viagem à Chapada dos Veadeiros.

Nesse segundo post (clique aqui pra ver o primeiro), eu escolhi duas fotos da flora dessa região do Brasil, que é o segundo maior bioma do continente e é de uma beleza natural magnífica.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

Ambas as fotos foram registradas com a excelente Sony H1 que eu tinha na época, em ISO 64 e utilizando um filtro polarizador, que colabora nas belas cores e no céu bem azul presente nas duas imagens.

Na primeira, um close-up aproveitando a boa capacidade de macro característica das câmeras digitais compactas. Abertura em f: 4.0 e velocidade de 1/160 com uma distância focal (equiv.) de 35mm.

A segunda traz uma preocupação maior com a composição no entrelaçamento quase geométrico e utiliza o contraste na planta proporcionado por um sol forte que incidia à 90 graus e nas nuvens brancas no céu. Mais uma vez o macro ajudou no desfoque tanto de parte das plantas em primeiro plano quanto do fundo. Velocidade do obturador em 1/125 e abertura f: 4.0. Distância focal (equiv.) de 75mm.




Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online. Mais fotos da Chapada em um próximo post.

PS.: Esse post demorou a ser publicado devido a problemas no upload de imagens do Blogger. Tive que contornar utilizando outros meios e por isso, infelizmente, não há como ver as fotos em tamanho maior por enquanto. Conserto assim que puder.

segunda-feira, 15 de outubro de 2007

Fotografia:: A Chapada dos Veadeiros (Pt. I)


Em Abril desse ano, tive a oportunidade de curtir férias com o meu irmão, que está morando em Brasília. Passei dois dias na capital federal, a cidade das siglas e dos setores. Detalhe: Setor de postos e motéis??? Bizarro.

Depois passamos cinco dias na Chapada dos Veadeiros, que não fica muito distante mas já é dentro do estado de Goiás.

A natureza lá é espetacular e rendeu inúmeras fotos fantásticas. No total acho que foram mais de 300. Quase ocupei pela primeira vez o cartão de 1GB que eu tinha naquela época. Nem daria pra mostrar todas aqui mas vou postar algumas nos próximos dias.

Essa viagem me deu uma vontade danada de ser fotógrafo da National Geographic.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

Todas as fotos dessa viagem foram tiradas com a Sony H1 que eu tinha (troquei por uma Nikon D40). É uma boa câmera pro fotógrafo ocasional e pro amador avançado.

A primeira é esse lindo pôr do sol que eu acho que é a melhor foto que eu já tirei. Aguentando muitos mosquitos, foi fotografada com ISO 64, f: 3.5 e velocidade 1/160 em modo P (programa) e com distância focal (equiv.) de 200mm. Valeu a pena.

Na segunda, essa vegetação ribeirinha foi fotografada com uma queda d'água magnífica de 80m de altura como fundo. Com prioridade de abertura e também em ISO 64, mas com f: 4, velocidade de 1/250 e distância focal (equiv.) de 320mm, o que permitiu o desfoque no fundo, já que as câmeras digitais compactas tem uma profundidade de campo elevada por conta do tamanho reduzido dos sensores (não, isso normalmente não é uma coisa boa).


Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online. Mais fotos da Chapada no próximo post.

Cinema é fundamental para Nobel de Al Gore

Na semana passada, Al Gore dividiu o prêmio Nobel da Paz com o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU) por sua cruzada para chamar a atenção do mundo em relação ao aquecimento global.

Apesar de uma corte britânica ter, recentemente apontado 9 inconsistências científicas no projeto do democrata, que foi vice-presidente durante o governo de Bill Clinton e candidato à presidência dos EUA em 2000 derrotado por George W. Bush numa eleição no mínimo duvidosa, Uma Verdade Inconveniente (2006), que ganhou o Oscar de Melhor Documentário no ano passado, foi fundamental para Gore levar ao mundo suas idéias e alertar a população do planeta sobre o que ele chama de uma "crise climática", que já está trazendo consequências sérias para o meio-ambiente e colocando em risco o futuro da humanidade.

Fim de filme

O Favoritos é um blog super interessante que compila tudo que tem de mais legal na internet, como, por exemplo, essa galeria no Flickr com 110 fotos de fins de filme. Pros cinéfilos e pros curiosos vale a pena conferir, é bem bacana.

O império das calças pretas

As pessoas que trabalham em escritórios pelo mundo afora devem se identificar com esse post.

Só uma coisa me irritava mais no trabalho de escritório que fazia do que acordar cedo, as idas a banco e a burocracia: as calças pretas.

Não é tanto sobre a calça em si, mas é que na maioria das instituições você é obrigado a usar um uniforme. E essa peça do vestuário simboliza a herança da sociedade disciplinar de que Foucault falava e que se instaurou no começo da revolução industrial com o intuito de homogeneizar as massas de trabalhadores. Individualidade, perspectiva e visão críticas não fazem parte desse modelo de sociedade do século XIX.

Na maioria dos casos, a calça preta faz parte do uniforme. E, às 6 da manhã quando eu a vestia para com ela passar a maior parte do meu dia, abria mão da minha individualidade e da minha identidade. Pense bem: você sequer pode escolher a roupa que vai vestir. E essa escolha diz muito às outras pessoas sobre quem você é através de códigos criados ao longo do tempo não só no campo profissional, mas na moda e nos costumes de cada cultura do globo. Os médicos usam branco, os advogados se vestem formalmente e se você conhecer um publicitário ou cineasta que não tem pelo menos um par de tênis coloridos, me avisa.

Quem é que nunca se olhou no espelho de uniforme antes de sair pra trabalhar e enxergou um estranho? As pessoas saem de casa sendo parte de uma massa uniforme cujo único objetivo é produzir, dia após dia e com isso ocupam a maior parte de inúmeros anos de suas vidas.

Eu proponho que voltemos a pensar, a ter uma visão crítica, a nos expressar e a ser nós mesmos no nosso dia-a-dia. E que as manchas e desgaste únicos dos jeans mais uma vez sejam símbolo de rebeldia como na década de 50. Benditos sejam os jeans, os tênis e as roupas coloridas e toda e qualquer coisa que sirva pra nos diferenciar uns dos outros num mundo em que, apesar de toda a liberdade e o acesso rápido e fácil à informação, cada vez mais o sistema nos pressiona para estar em acordo com os padrões propostos não só para as vestimentas, mas para a maneira de pensar e de encarar a vida.

quinta-feira, 11 de outubro de 2007

Fotografia:: Um passeio no fim de tarde

Domingo à tarde e eu em casa, na maior preguiça, tentando ver Meu Tio Matou um Cara (2004), do Jorge Furtado, que tinha alugado na locadora. Depois eu vi e até gostei. Mas o Homem que Copiava (2003) é bem mais legal. Enfim, eu tentava ver o filme mas a Alice queria passear e eu acabei indo meio a contragosto. Já que eu tinha que ir, pensei: vou levar a câmera. De repente eu fotografo alguma coisa. Peguei a minha segunda filha (a Nikon D40), a Alice e fui. Até que saíram umas fotos bacanas de coisas que tem aqui perto de casa mesmo. Escolhi essas duas pra postar aqui no blog.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

Ambas as fotos foram tiradas só com a luz natural de um belo entardecer. Eram umas 16:30, eu acho. Usando o modo de prioridade de abertura (o meu preferido, como vocês podem ter reparado) e ISO 400 pra aumentar a velocidade e não tremer com a câmera, já que eu estava usando a lente 18-135mm quase sempre em 135mm ou mais na parte teleobjetiva. A primeira foi tirada com f: 5 e 1/400 de velocidade com uma distância focal (equivalente) de 75mm. A foto abaixo foi capturada com diafragma f: 5.6 e velocidade 1/125. A distância focal (equiv.) era de 110mm.


Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online.

domingo, 7 de outubro de 2007

Fotografia:: O velho através do novo

Na semana passada, no primeiro sábado à noite com a minha Nikon D40 nova eu resolvi que iria fotografar alguma coisa pra usar o equipamento novo e testar umas idéias de setups.

Acabei montando um mini-estúdio na sala de casa com um fundo infinito branco. O objeto escolhido tem um valor sentimental e simbólico. Essa Minolta SRT101 foi do meu pai, que também adora fotografia. Depois ela ficou guardada num armário velho por muito tempo até que eu a achei e herdei ela. Desmontei, limpei e recuperei a câmera e até fiz algumas fotos com ela. Achei que seria legal fotografar a câmera antiga com a nova. O resultado é uma série de fotos, das quais escolhi essas duas pra postar aqui no blog.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

O setup era o seguinte: luzes fluorescentes do teto como preenchimento, uma pequena luminária fluorescente como contra-luz e um flash SB600 rebatido num isopor como luz principal. Tive que filtrar o flash com uma gelatina plus green pra equilibrar a temperatura de cor com as lâmpadas fluorescentes.

O ISO era 200 para ambas as fotos e foram tiradas em modo de prioridade de abertura, o que me permitia trabalhar mais facilmente com a profundidade de campo nas imagens. Às vezes compensava com a velocidade de exposição, sempre baixa. Usei um tripé e o timer de 2s pra evitar fotos tremidas. A foto de cima foi tirada com f:8 e 1/5 de exposição. A de baixo com f:5,6 e 1/10 de velocidade.


Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online.

Crítica:: Tropa de Elite: além das (grandes) expectativas

É fato que a pirataria gerou uma quantidade enorme de mídia espontânea para Tropa de Elite e é claro que isso também faz com que as expectativas em relação ao longa sejam muito maiores.

Pois bem. Na sexta fui conferir se o filme dirigido por José Padilha e produzido por Marcos Prado e as minhas expectativas foram superadas em todos os aspectos. Me arrisco a dizer que é um dos melhores filmes brasileiros que eu já vi.

Tecnicamente, o filme é excelente e está no nível das produções internacionais em termos de qualidade de imagem e som, sendo esse último um destaque muito positivo. Especialmente na mixagem.

O roteiro de José Padilha, Bráulio Mantovani (roteirista de Cidade de Deus) e Rodrigo Pimentel (ex-integrante do BOPE) é excelente. Mesmo recursos que normalmente são considerados prejudiciais à narrativa como o flashback e a narração em voice over são utilizados de forma adequada e contribuem positivamente na construção da história. Os personagens são interessantes, coerentes e profundos.

José Padilha optou por uma estética ultra-realista e faz um excelente trabalho na condução da narrativa e em termos estéticos. A fotografia, de Lula Carvalho contribui com o uso extensivo da câmera na mão que inclui o espectador na ação e também tem uma proposta realista que casa muito bem com a direção. As cenas de ação são muito bem coreografadas e estão em um padrão de qualidade nunca antes visto no cinema nacional. A trilha musical é excelente, assim como todo o som do filme.

O trabalho do elenco, comandado pelo diretor e preparado pela Fátima Toledo, é simplesmente fantástico. O destaque, claro, é o Wagner Moura (Capitão Nascimento), cuja atuação é irrepreensível do primeiro ao último minuto do longa.. Mas Caio Junqueira (Aspirante Neto), André Ramiro (Aspirante Matias) e o restante do elenco também têm ótimas atuações e estão de parabéns.

Mas, muito além de um filme de ação competente, Tropa de Elite é um soco no estômago e deve te fazer sair do cinema um tanto chocado. Mostra, através da ótica do policial, a proporção que a violência tomou no Rio de Janeiro e questiona o que é aceitável e até que ponto podemos chegar para manter uma ordem que é extremamente frágil e qual a nossa parcela de responsabilidade nisso tudo. Não acho que o filme vanglorie o BOPE, a tortura, a violência e muito menos que o filme seja fascista. Se visto com um mínimo de senso crítico, acredito que o filme traz todos esses assuntos para a discussão e isso é fundamental para a nossa sociedade. Considero uma pena que um dos efeitos colaterais desse sucesso de público que o filme teve antes mesmo de sua estréia, seja transformar um filme que traz questionamentos sérios e pertinentes à sociedade em um ícone pop ultraviolento.

Em suma, Tropa é um grande filme de ação. Mas, para aqueles que mantiverem a mente aberta, é muito mais do que isso: é um filme que provoca a reflexão e a discussão que precisamos para começar a mudar a situação em que vivemos. Parabéns ao diretor por conseguir construir uma obra completa que é tanto um filme de entretenimento com estética e técnica notáveis, quanto um filme engajado socialmente.

Outras opiniões +

Tropa de Elite é um tiro de calibre 12 na cara (Jorge Antônio Barros - Repórter de Crime)

Tropa de Elite (Neusa Barbosa - Cineweb)

Tropa de Elite (Erika Liporaci - No Escurinho do Cinema)

Tropa d(a) Elite (Baú de Tranqueiras)

Essa crítica e outras notícias de cinema estão no Pipoca da Boa.

quinta-feira, 4 de outubro de 2007

Fotografia:: Uma viagem de ônibus inusitada


Esse é o primeiro de uma série de posts de fotografias minhas.

Dentro de ônibus acontece de tudo. Essa foto foi tirada dentro de um ônibus indo do Humaitá pra Gávea. Eu entrei no ônibus com a minha irmã e uma amiga e esse senhor tocava acordeon com uma alegria de dar inveja.

Ele contaminou todo mundo no ônibus. As pessoas cantarolavam as músicas que ele tocava e aplaudiam ao final. Ele só agradecia e nada pedia. Tocava pelo prazer de tocar. Dava pra ver nos seus olhos.

Alerta! Daqui pra frente o post é mais técnico. Se você não saca muito de fotografia pula pro final pra ver a outra foto.

Eu estava com a minha Nikon D40 e saquei, pedi permissão e tirei umas 4 ou 5 fotos. Primeiro eu aumentei o ISO mas não deu. Tive que usar o flash onboard da câmera, que eu odeio. Mas até que não ficou tão ruim (depois de alguma correção no Photoshop).

Na pressa, fotografei em P (Programa) e me arrependi de não ter tirado mais fotos, de não ter usado o modo de prioridade de abertura e de não ter trocado a objetiva pela minha 50mm, que é bem mais luminosa (f:1.8). Mas um misto de tensão e medo por sacar uma câmera de R$ 2.500 no meio de um ônibus no Rio de Janeiro me impediram de fazer isso tudo.

Ambas as fotos foram tiradas com uma objetiva 18-135mm e com ISO 1600. A de cima com uma distância focal (equivalente) de 50mm, abertura f:5 e velocidade 1/60. A de baixo manteve a velocidade, mas a distância focal era de 100mm e a abertura f:5 e 1/3.


Quem quiser conferir mais do meu trabalho como fotógrafo basta clicar aqui e acessar meu porfolio online.

quarta-feira, 3 de outubro de 2007

A primeira dose é de graça

Num esquema parecido com aquele usado pelos traficantes de drogas pra viciar os usuários onde a primeira dose é de graça, o Disney Channel vai abrir seu sinal para todos os assinantes de TV paga assistirem à estréia de High School Musical 2 (2007) no próximo domingo dia 7 às 20h.

Parece bem apropriado porque, honestamente, esse filme deve ser uma droga mesmo.

E é claro que depois eles vão ganhar rios de dinheiro em vendas de DVD e milhares de outros produtos licenciados que vão de álbum de figurinhas à biscoitos de chocolate estampados com a cara desses atores e atrizes sem talento.

PS.: Sim. Essa é uma cena do filme. E sim, eles estão todos cantando dentro da piscina em volta de um piano rosa. Eu odeio musicais. Musicais teen então nem se fala.

Porque as séries demoram tanto pra chegar ao Brasil

Eu sou viciado em séries. Adoro. Quando eu prestei vestibular e passei só pro segundo semestre da UFRJ passei esses seis meses (e mais uns dois da greve... básico) assistindo Sony, Warner e Fox o dia inteiro. Hoje eu sou mais light. Só acompanho de perto Lost e Heroes e vejo de vez em quando House, 24 Horas e as eternas, mas sempre engraçadas reprises de Friends e Seinfeld.

Eu vejo séries desde que as pessoas tinham o maior preconceito e chamavam elas de enlatados. Elas só passavam na Sessão Aventura e nos sábados e domingos pela manhã na Globo. Pra quem só viu Malhação depois da Sessão da Tarde eu relembro que a Sessão Aventura ocupava esse horário na década de 80 e início de 90 e passava séries clássicas como Mac Gyver (Profissão Perigo), Esquadrão Classe A, Dama de Ouro e uma que ninguém lembra, mas que eu adorava: a Força de Emergência. Era tipo uma SWAT dos anos 80. Eu lembro da abertura onde o narrador dizia assim:

“Quando o cidadão está com problemas, ele chama a polícia. Mas quando a polícia está com problemas, eles chamam a... FORÇA DE EMERGÊNCIA!!!”.

Muito bom, né? Alguém lembra disso?

OK. Chega de nostalgia. Como eu ia dizendo, o meu irmão compartilha esse meu vício e uma dessas noites batendo papo, a gente chegou a uma conclusão: existe uma conspiração (eu tinha dito que gosto de conspirações) pra que as séries só cheguem ao Brasil com pelo menos uns seis meses de atraso. É sério... pensem bem... porque é que as séries não são exibidas aqui ao mesmo tempo que lá nos EUA?

Eu até entendo que as séries demorem a chegar na TV aberta. Eles querem que você tenha um TV por assinatura. Isso é óbvio. Mas não passar na TV fechada não faz o menor sentido. Onde é que eles querem que você assista?

E nem adianta culpar a legenda. Se cinco ou seis nerds conseguem fazer uma legenda sincronizada com perfeição e traduzida melhor do que a Mônica Pessegueiro do Amaral, que traduz a legenda de TODOS os filmes que eu vejo no cinema (mas isso é assunto pra outro post), porque a Fox ou a Sony teriam dificuldades?

A nossa conclusão estarrecedora é a seguinte: Eles fazem isso pra vender mais assinaturas de Internet banda larga! É óbvio que se você não consegue assistir aqui, tem que baixar de algum site pirata ou um torrent. E pra isso você precisa de uma Internet banda larga. Até porque se for discada, você vai ver Lost ou 24 Horas mais rápido se esperar chegar na Globo.

terça-feira, 2 de outubro de 2007

O dono da janela

Esse post é pra falar sobre aquelas regras invisíveis, não ditas, mas que estão implícitas e de um jeito ou de outro todo mundo acaba respeitando mesmo sem saber exatamente o porquê.

Eu nunca tinha reparado mas, segundo uma amiga, quem senta na janela do ônibus tem o total e arbitrário controle sobre a mesma. Se você está na janela, pode ficar tranquilo e fazer o que bem entender com ela. A regra é clara. Mas se sentou no corredor ou está em pé pode dizer adeus a qualquer chance de decidir o que acontece com a janela.

Eu disse que nunca tinha reparado. Isso foi até sexta passada.

Foi nesse dia chuvoso que eu estava voltando pra casa no final da tarde e peguei um ônibus (óbvio) lotado. Quem já pegou um ônibus lotado num dia de chuva sabe muito bem que a primeira reação das pessoas é fechar todas as janelas e frestas possíveis do ônibus. Eu juro que não entendo. Se molhar nem pensar. Mas respirar é opcional.

É claro que pra completar tinha um engarrafamento monstruoso na auto-estrada Lagoa-Barra.

Depois de alguns minutos com 70 pessoas dentro de um espaço confinado, é óbvio que ficou bastante abafado. Tava sufocante, pra dizer a verdade. Um sujeito que estava em pé ao meu lado e que, assim como a maioria dos seres humanos, precisa respirar, teve a boa idéia de abrir a janela superior.

É aí que entra o dono da janela. Pra ele não interessava se todo mundo ia morrer sufocado ou não. Aquela era a janela dele e assim ele fechou a janela por mais que já não estivesse chovendo mais. Depois de mais umas duas tentativas frustradas, parece que lembramos da "regra" e ninguém mais tentou abrir a janela dele. Por sorte eu estava bem embaixo daquela escotilha (é assim que se chama?) , eu a abri pra entrar um ar e sobrevivi pra contar essa história.

Afinal, eu podia não estar na janela mas eu era o "dono da escotilha".

PS.: A primeira coisa que eu fiz quando o cara se levantou e eu sentei no lugar dele foi escancarar a janela. E que se dane se alguém ficou com frio...

segunda-feira, 1 de outubro de 2007

Porque eu gostei de Paraíso Tropical

Sim. Eu confesso. Mesmo correndo o risco de perder todos os meus amigos e o respeito dos meus colegas de trabalho, eu confesso: gostei de Paraíso Tropical e assisti até o último capítulo.

A novela de Gilberto Braga e Ricardo Linhares pode ter tido vários defeitos. Não há dúvida que eles existem. Mas criticar é fácil.

Prefiro me ater aos seus muitos êxitos. Ao priorizar várias pequenas tramas e subtramas de duração mais curta ao invés de uma ou duas tramas sem fim que permeiam os seis meses de exibição, o último folhetim das 8 da TV Globo conseguiu um ritmo mais ágil e prendeu a atenção do espectador, já que o desenrolar das histórias era bem mais rápido.

A direção esteve bem ao longo da novela com uma ou outra cena repreensível e o elenco, especialmente no núcleo dos vilões, foi acima da média.

Na reta final, é claro que tem que se dar um desconto para as concessões que os autores têm de fazer em nome do clamor popular. Ainda assim, o resultado é bastante satisfatório. As cenas de ação do último capítulo tem uma qualidade de direção, edição, fotografia e trilha musical que eu jamais tinha visto em uma novela da Globo. Fico feliz de estarmos evoluindo nesses aspectos.

O ponto alto do capítulo final foi realmente a revelação do assassino da vilã Taís. Numa cena bem construída, os autores tiveram a coragem de escapar do artifício (estúpido) do assassino de quem ninguém suspeitava e mantiveram a coerência fazendo com que o assassino fosse Olavo (Wagner Moura), o vilão da novela. A surpresa ficou por conta do motivo do assassinato. O bacana é ver que aquela velha máxima do "não é o que você conta, mas a maneira como você conta" prevaleceu e rendeu uma boa história em que todas as pontas soltas foram devidamente resolvidas e equacionadas pelos roteiristas.

Parabéns a todos os envolvidos na produção e espero que as futuras novelas e seriados possam contar com um roteiro inteligente e de qualidade, que é a base para um programa interessante.

Teoria da conspiração



Todo mundo que me conhece sabe que eu adoro uma boa teoria da conspiração. Melhor ainda se envolve sociedades secretas, o governo americano e tudo mais.

No entanto, o vídeo acima não tem nada de ficção. Esse episódio infeliz aconteceu na Universidade da Flórida, em 17 de Setembro. O estudante Andrew Meyer foi preso e passou a noite na cadeia sob a alegação de "perturbar a ordem" simplesmente por fazer uma pergunta ao Senador John Kerry, que dava uma palestra para os alunos da universidade.

Tudo bem que ele pode ter sido um tanto insistente nas suas perguntas e na indagação a Kerry se ele de fato fazia parte da mesma sociedade secreta da qual (supostamente) faz parte o presidente George W. Bush. Mas isso não era motivo pra prender o rapaz e muito menos para dominá-lo usando choques elétricos.

Me impressiona o desespero do estudante em querer saber o que tinha feito de errado, os pedidos de socorro e o apelo para que o policial não use o taser. A cena é deprimente e mostra o quanto a sociedade americana se dispõe a abrir mão de suas liberdades individuais por um pouco mais de segurança. Ou pelo menos por um pouco mais de sensação de segurança.

Além de ser lamentável, me deixou curioso o fato desse episódio, que é no mínimo polêmico, ter sido deixado de lado pela mídia como um todo tanto nos EUA quanto no Brasil. Questionei vários amigos e ninguém sabia do acontecido ou tinha sequer ouvido falar.

Policiais dominando um estudante sem maiores razões... Mídia encobrindo os fatos... Estou começando a achar que essa sociedade secreta pode existir.

Mas a verdade está lá fora. Agora vocês já sabem. E da próxima vez que forem falar sobre sociedades secretas... cuidado com quem está ouvindo...

De volta...

Andei um pouco ocupado.

Entre outras coisas, estou trabalhando pra fazer uns freelas como fotógrafo e recuperar o investimento que fiz na compra de uma câmera digital nova.

Se alguém quiser conferir o meu portfolio pode clicar aqui.

Eu estava hospedando minhas fotos no Photobucket. Mas o Carbonmade tem uma aparência mais clean e profissional, não dá pra copiar as fotos com facilidade e o limite de 35 fotos para a conta gratuita é mais do que suficiente para que alguém avalie o meu trabalho.

Mas o objetivo do post é dizer que estou de volta e vou procurar atualizar o blog com frequência.

PS.: No embalo do tema fotográfico eu atualizei o Top5. Confiram aí ao lado.

quinta-feira, 16 de agosto de 2007

Top 5 no Pipoca da Boa

Estou estreando um Top 5 no meu blog dedicado exclusivamente à cinema.

Passem por lá e confiram clicando aqui. O tema dessa semana é: As Piores Adaptações para o Cinema de Todos os Tempos.

quarta-feira, 15 de agosto de 2007

Talentos individuais não salvam Toma Lá Dá Cá

Essa semana tive a oportunidade de assistir ao novo programa humorístico da Globo que estreou na terça passada. Toma Lá Dá Cá conta com atores de talento incluindo Diogo Vilela, Marisa Orth, Adriana Esteves, Arlete Salles e Miguel Falabella, que ao lado de Carmem Barbosa é um dos criadores do sitcom. O restante do elenco se completa com os jovens Fernanda Souza, Daniel Torres e George Sauma e com Alessandra Maestrini.

Os personagens são extremamente estereotipados: Marisa Orth mais uma vez vive uma personagem completamente superficial. Rita é uma Magda menos burra. Falabella por sua vez encarna um Caco Antibes menos escandaloso no papel de Mário Jorge. Arlete Salles criou uma avó bêbada e farrista. O restante dos personagens são rasos e a empregada não consegue fugir da fórmula da doméstica cômica: insolente e desbocada. A personagem de Adriana Esteves é a mais contida e talvez por isso a menos chata.

Com um roteiro muito fraco, as poucas risadas da platéia (eu mesmo só dei uma meia risada e nem me lembro do que foi) saíram de atuações individuais. Não é o suficiente. Falabella esteve nos EUA assistindo a gravações de sitcoms americanas diante da platéia para implantar esse esquema em Toma Lá Dá Cá. Ele deveria ter aproveitado para verificar que os sitcoms que fizeram sucesso por lá se baseiam no roteiro e em personagens interessantes. E assim, mesmo atores de menor nível técnico, como Jennifer Aniston, de Friends, dão conta do recado quando o roteiro é bom. De outro modo, nem mesmo os melhores atores farão um programa engraçado e que seja gostoso de assistir.

segunda-feira, 13 de agosto de 2007

Crise de criatividade ou política de mercado?

Escrevendo para o blog recentemente e lendo alguns artigos, me dei conta do número extraordinário de filmes que são adaptações, remakes ou simplesmente seqüência. A quantidade de filmes com roteiros originais tem diminuído nos últimos anos em Hollywood.

Adaptações sempre estiveram presentes na história do cinema e fizeram chegar às telas clássicos da literatura que renderam grandes filmes de sucesso. No ranking dos 100 melhores filmes do American Film Institute, 49 foram adaptados ou inspirados a partir de romances, contos e livros de não-ficção. Seja em termos de crítica ou público esses filmes obtiveram grandes êxitos. Vale lembrar de Uma Mente Brilhante (2001), que faturou o Oscar de Melhor filme e a adaptação de um dos livros mais lidos do planeta: Senhor dos Anéis, cuja trilogia rendeu uma bilheteria de quase US$ 3 bilhões de dólares se combinarmos o faturamento mundial dos filmes e 17 Oscars incluindo o de Melhor Filme para o episódio final da saga lançado em 2003.

Mas o que vemos hoje na verdade é uma enxurrada de adaptações que se apropriam de elementos já inseridos e instaurados na cultura de massa como forma de promover o filme antes mesmo do seu lançamento. Adaptações de histórias como heróis de quadrinhos, desenhos animados, seriados de TV e até mesmo jogos de videogame e PC. Podemos citar aqui a trilogia do Homem Aranha, Sin City (2005), os recém-lançados Transformers (2007) e Simpsons – O Filme (2007), a promessa de um novo filme do He-Man, de uma adaptação de Sex and The City, e os recentes Resident Evil (2002) e seqüência e Doom (2005).

Somando-se a isso, temos um número elevado de remakes e seqüência. O remake é uma nova versão de um filme previamente realizado e lançado. O mais notável na história recente provavelmente é Os Infiltrados (2006), de Martin Scorcese, versão de um filme obscuro de Hong Kong que ganhou o Oscar de Melhor Filme no ano passado e Guerra dos Mundos (2005), de Steven Spielberg. Qualquer filme dos últimos anos que tenha feito sucesso imediatamente ganha uma (ou duas) seqüência. Velozes e Furiosos (2001) e suas continuações são um bom exemplo de seqüência fora de propósito que sequer tratam dos mesmos personagens. Transformers (2007) mal foi lançado e já terá uma continuação em 2009.

Diante do número pequeno de filmes citados em relação às possibilidades de preencher muito mais linhas com filmes não-originais de todos os tipos, pode parecer que a afirmação de que Hollywood está vivenciando uma crise de criatividade é verdadeira. Nada poderia ser mais incorreto, porém. Segundo estimativas, o número de roteiros originais registrados anualmente nos EUA pode passar de 80.000. Então porque é que não se produzem mais filmes originais? A resposta é simples. O cinema americano é uma poderosa indústria. Um negócio. E a regra para investir capital em qualquer aplicação é procurar sempre o menor risco aliado às maiores taxas de retorno.

Fica óbvio que investir em uma fórmula de sucesso já testada e comprovada é muito mais seguro e lucrativo para os acionistas dos estúdios de Hollywood. Colocar dezenas de milhões de dólares em um roteiro original pode ser arriscado demais. Utilizar um produto que já está inserido na cultura popular é uma forma de proteger esse investimento ao garantir, aliado a estratégias de lançamento que consomem cada vez mais recursos em publicidade, um grande público para o filme. O público maior também chama a atenção de empresas interessadas em promover seus produtos através do filme. A última aventura de James Bond, Casino Royale (2006), por exemplo, traz a Sony, distribuidora do filme, aparecendo em DVDs, celulares, câmeras, monitores e notebooks. Virtualmente todos os carros que aparecem no filme pertencem ao grupo Ford (incluindo o incrível Aston Martin do 007) e a vodka Smirnoff foi inserida no Martini, o drink imortalizado pelo personagem.

Por último, gostaria de destacar, como contraponto, que ainda há excelentes roteiros originais sendo produzidos e levados às telas todos os anos por produtoras de grande porte e por seus selos “independentes”, como o ótimo Pequena Miss Sunshine (2006), o excelente Mais Estranho que a Ficção (2006) e tantos outros que nos deixam ainda alguma esperança no cinema americano e em sua renovação.

Pra saber mais +

Clique nos links do texto para acessar o IMDB.

quarta-feira, 8 de agosto de 2007

Pequenos Imprevistos na Lapa

Pra quem não sabe, "Pequenos Imprevistos" é o título do curta-metragem roteirizado e dirigido por mim e produzido pela Atitude Produções.

Foi rodado em Dezembro do ano passado e conta a divertida história do Mário, um cara super apaixonado pela namorada que quer pedi-la em casamento mas só se mete em roubada. O resultado final ficou bem legal. Vale a pena conferir.

Enquanto não fecho com a Globo um valor pra passarem no Telecine (é muito novo pra passar na Tela Quente), a gente vai exibindo ele onde e quando dá.

Ele será exibido amanhã, no cineclube Beco do Rato. Fica na Rua Morais e Vale ,8 Lapa. Começa às 22:30.

Eu ainda não sei se vou poder estar lá mas fica aí o aviso e o convite.